Dislumbre

Dislumbre (Josane Mary)
 
Caminhei a esmo no dia.
Senti a grama,
o vento,
o Sol,
saudade.
Olhei o céu,
em volta,
dentro de mim.
Parei,
sorri.
Agradeci.
Como é bom sentir!
Segui caminhando,
a esmo no dia.
Ouvi o silêncio,
os muitos sons dentro de mim.
O mais lindo continuava a ser o da saudade.

Sobre Josane Mary

O ato de escrever se tranformou numa extensão de mim... https://josanemary.wordpress.com
Esse post foi publicado em Atreva-se, Escrever, Garra de Mulher, Holanda, Inspiração, Poesia e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Dislumbre

  1. Antonio Ramiro Fonseca disse:

    Mevrouw, Josane,
    Recebi o seu post “DISLUMBRE”. Consegui sentir tanta inocência, tanta inspiração, tanta leveza, tanta sinceridade que, consegui, igualmente a você, sentir saudade. Transportei-me para o seu plano e, caminhei e me Dislumbrei como você. Agora, mais do que nunca, entendo porque quando trabalhávamos lado a lado, era comum vê-la compenetrada, olhar fixo, como buscando enxergar as respostas que sua existência pedia.
    Adorada amiga, a saudade caminha lado a lado com o amor. Como você bem o disse: o sentimento mais gostoso no seu passeio a esmo, foi a saudade. Deixe a Mevrouw explodir. Não a reprima. A saudade é uma provação. Não a despreze. Ao contrário, DISLUMBRE-SE.
    Abraços Fraternos
    Ramirovskiy
    Aceitar depoimento

    • Josane Mary disse:

      Ramirovisky, querido amigo!
      A cada post que escrevo, é impossível não imaginar [prazerosamente] qual será o seu comentário. Estou ficando mimada pelos seus [e confesso que adorando! Suspiro!] Parece que suas palavras viram braços, e me sinto colocada no colo.
      Literalmente [e sem puxação de saco ou coisa que o valha], o carinho que tem me oferecido tem sido muito, muito maravilhoso. Choro de emoção, porque você não se cansa de me fazer sentir como se eu fosse alguém especial. Jamais imaginei que eu tivesse deixado tanta boa impressão do nosso tempo de EBTL. O engraçado é que naquela época, nosso último chefe, achava cabível/engraçado, chamar-me de doida. Eu ficava triste; eu era muito mais que isso; doida é definição de quem está doente/perdido; e eu não estava nem uma coisa, nem outra. Por outro lado, nem vale a pena ater-me nisso, pois tenho grandes e queridos amigos daquela época maravilhosa! Tenho muita sorte de ter no meu CV pessoal, a presença de pessoa tão grandiosa como você.
      No dia do lançamento, acho que será difícel, mas depois dele, espero muito ter a chance de papaer com você por horas! Cazefinhos atrás de cafezinhos!
      Obrigadíssima pelo carinho!
      Tenha um ótimo final de semana e até o próximo post!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s