A poesia com amor e prazer

Livros
Borges – a poesia como paixão e prazer!
No livro de ensaios “Esse Ofício do Verso”,  Borges relata todo seu amor pela magia da palavra.
Robson Luiz Veiga –  Especial para o Jornal Opção
Num tom confessional, admitindo ser um pensador levado a ti­midez, apenas utilizando como ferramenta a memória, o escritor argentino Jorge Luis Bor­ges, convidado como fora com to­das as honras pela Universidade de Harvard nos anos de 1967 e 68, no auge dos seus sessenta e sete anos, proferiu neste período seis palestras a estudantes americanos do curso de letras, com o objetivo de delinear oralmente, todo seu amor pela palavra — seja como leitor, ou como escritor, abrindo o leque das possibilidades que só o verso é capaz, depois que chega às mãos e aos olhos do leitor, num fruir de sentimentos adotados por Borges, como “uma paixão e um prazer”: a simples definição de poesia.
Antes, confinadas num cofre da biblioteca da referida universidade americana, as seis palestras, proferidas na língua inglesa, foram transcritas via fita, para as páginas impressas em 2000, num pequeno livro chamado “Esse Ofício do Verso” — “This Craft Of Verse” — chegando ao Brasil no mesmo ano pela Companhia das Letras, mediante acordo com a Harvard University Press, sendo organizadas pelo professor de Língua e Literatura Moderna da Univer­sidade Western de Ontario, Calin-Andrei Mihailescu, e traduzidas em forma de ensaio por José Marcos Macedo, contendo 159 páginas dedicadas à poesia — dialogando com autores e textos, de tempos remotos ao moderno, passando por Homero, Cervantes e Joyce, sempre recorrendo à memória, ao invés das notas, pois o amarelo já havia lhe tomado as feições das suas pupilas.
O autor de “Ficções” — poeta, contista, tradutor, crítico e ensaísta — faz, neste livro, um vai e vem no mundo da poesia, destacando tanto poetas conhecidos, assim como alguns poetas não tão conhecidos, ou até esquecidos, delineando temas relacionados ao fazer poético, tais como, o enigma da poesia, a metáfora, a musicalidade da palavra, a possibilidade ou não da tradução poética, o narrar de uma história, bem como, o crer de um poeta, este último, ao falar de si, tanto quanto escritor, tanto quanto leitor voraz que fora — desde a infância em Buenos Aires, quando ouvia de seu pai, num verdadeiro frêmito, o lampejo e o trovoar dos versos de John Keats, experiência que “acontecia não com meu simples intelecto, mas com todo meu ser, minha carne e meu sangue”, e isso para Borges era poesia, algo que ele não poderia definir em palavras, mas sabia onde encontrá-la, pois, “ela está logo ali, à espreita”. Sendo a vida para Borges, feita de poesia, podendo surgir entre nós, a qualquer momento.
Borges deixa claro aos leitores deste livro, que entre ler, analisar e escrever, atos revelados por amor à palavra durante toda sua vida, que o desfrutar era o mais importante para ele — o sorver a poesia, através da sugestão que insinua o verso, não tendo em si, o enigma da construção dos versos a revelar a ninguém, apenas dúvidas a oferecer; somente perplexidades consagradas pelo tempo, e que a poesia embutida por trás das palavras podem saltar para vida, ressuscitando os mortos quando as páginas de um livro são abertas pelo leitor certo, pelo contato, pois para ele, o livro não passa de um objeto físico como tantos outros, porém, o conjunto de símbolos mortos presentes em cada exemplar, as palavras, podem ganhar vida em contato com o leitor, e quando a poesia chega, “sente-se o seu toque, aquela comichão própria da poesia”.
Ao falar da metáfora, uma das razões da existência do verso, Borges exemplifica o tema admitindo a existência de uma dúzia de modelos em torno de centenas ou milhares de projeções metafóricas, “mas isso não precisa nos preocupar, já que cada metáfora é diferente”, não precisando o leitor ter tanta preocupação quanto ao fato, pois, “o importante sobre a metáfora, eu diria, é ser sentida pelo leitor ou pelo ouvinte como uma metáfora”, utilizando a imaginação, indiferentemente do pensamento lógico, que utiliza argumentos – já em poesia, a insinuação, o sugerir através das palavras, pois essas, para Borges, já nasceram poéticas.
“Esse Ofício do Verso” é aquele típico livro que deve habitar as estantes de todos aqueles que são amantes da arte poética – amantes da poesia, da magia das palavras, da musicalidade dos versos. Pois, nele encontramos, surgindo na alma do poeta, toda paixão e reverência que nos faz acreditar, que por incrível que pareça, ainda em tempos pós-moderno, somos levados a crer que o homem, mais do que tudo, ainda precisa de poesia.
Robson Luiz Veiga, é mestrando em Crítica Literária.
Matéria do Jornal Opção, GOIANIA, Nov.2011
Grande abraço e até o próximo post!

Sobre Josane Mary

O ato de escrever se tranformou numa extensão de mim... https://josanemary.wordpress.com
Esse post foi publicado em Escrever, Literatura, livros, Mestres da Literatura, Poesia, Poesias de Mestres da Literatura e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para A poesia com amor e prazer

  1. Antonio Ramiro Fonseca disse:

    Amiga Jô,

    Tudo relacionado á literatura é maravilhoso. Um conto, uma prosa, uma história, uma crônica, um livro, enfím, qualquer forma de expressão escrita é extra-sensorial, pois, como já dito acima, é uma profunda paixão e prazer. A poesia é a princesa de todas as expressões, perdendo, apenas, no meu entender, para quem consegue realizar a magia de musica-la.

    Parabéns pela postagem.
    Abraços Fraternos,
    Ramirovskiy

  2. medhusas disse:

    Oi, minha cara amiga, Josane!
    Amei seus comentários em relação ao texto… como seria assim tão maravilhoso se todas as pessoas pudessem conviver diariamente com arte, precisamente com a poesia, pois, como diz Borges, a poeisa está logo ali, à espreita, na esquina, pena que muitos não foram educados a percebê-la!
    Grande abraço, grande beijo, e mui grato por passar a frrente tal pensamento… agradecido! Acesse depois o meu blog, ok!?
    http://www.cafelitterario.blogspot.com
    Robson Luiz Veiga

    • Josane Mary disse:

      Boa-noite, Robson!
      Obrigadíssima pela visita no meu cantinho virtual! Foi uma honra poder publicar a sua crônica sobre o Borges.
      Acabei de visitar o seu blog. Parabéns! Continue encantando a todos com a sua habilidade crítica literária.
      Reitero que muito me honraria ter a sua opinião sobre o minha primeira obra literária, o romance “Mevrouw Jane”, através do prefácio sobre ele escrito.
      Assim, convido-o para acessar:
      https://josanemary.wordpress.com/mevrouw-jane/

      Espero não desapontá-lo!
      Volte sempre!
      Grande abraço daqui da Holanda & Saudações Literárias!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s