Passo a Passo VI

Cá estou para registrar mais uma etapa que vivencio no processo de auto-publicar um livro.
Vasculhando pela abençoada internet, constatei que uma [boa e atenta] editora,  também tem como objetivo inscrever  o[s] trabalho[s] de seu[s] escritor[es] em concurso[s] literário[s]. Constatei ainda que existem vários concursos literários anualmente, tanto no Brasil como aqui na Europa; principalmente em Portugal e Espanha. Encontrei alguns sites que me posicionam sobre os mesmos, e isso foi um achado. Este é um deles: Concursos Literários.

Alguns concursos são para livros [romances, por exemplo], cuja 1a. edição aconteceu no ano anterior. Alguns aceitam a inscrição do exemplar do livro; outros, exigem que o mesmo esteja impresso em folha A4, enviados em várias cópias, e obedecendo a uma série de exigências.

Obviamente interessei-me por participar de alguns concursos. Reli meu livro novamente,  só para ver se havia necessidade de algum acerto. E foi aí que verifiquei o quanto ele ainda precisava ser ‘corrigido’, apesar do meu tremendo esforço para evitar que a 1a. edição tivesse erros.  [Para saber detalhes desta agonizante saga, favor clicar aqui e ler o Passo a Passo  III. ] Resultado, emanei reiterados pedidos de desculpas para os meus leitores que ficaram expostos a tais erros.
Passada a frustração, entrei em contato com a Scortecci, a editora que contratei para publicar o meu livro. Por terem participado de cada segundo da  agonizante saga acima citada, entenderam justo não me cobrar por fazerem tais acertos. Confesso que isso me pegou de suspresa.

Ontem, recebi email com o arquivo corrigido. Nele, a informação de que o meu pedido para acrescentar a informação “auto-publicado pela autora” tinha sido vetado pela gerente.
Respondi agradecendo pelas alterações, e informando que não entendia o motivo do veto; que não faria a 2a. edição pela Scortecci se tal informação fosse excluída; que como estou bancando para que o livro exista, me reservava esse legítimo direito; que deveria tê-lo solicitado  quando da 1a. edição, mas como “marinheiro de primeira viagem”, várias coisas me passaram desapercebidas.
Responderam esclarecendo-me:
“Bom-dia, Sra. Josane […]. Recebemos sua mensagem através do Daniel Galvão. Ao incluir a informaçãoAuto-publicado pela autora” o livro cria uma característica independente. O livro passará a ser visto como independente não apenas no sentido de ser uma edição paga pelo autor e sim um livro “produzido pelo autor” o que pode prejudicar a inclusão no mercado livreiro em geral. As livrarias não abrem muitas oportunidades ao escritor independente.
Aguardo sua autorização (após explicação do motivo) para que eu possa liberar a inclusão da frase em seu livro.
Estamos a sua disposição. […]
Assim os respondi:
Bom-dia, Fernanda, obrigada pela pronta resposta.
Entendi perfeitamente o que me foi explicado. Ocorre que no meu entender, acrescentar a informação que solicitei, simplesmente divulga a verdade, pois sou mesmo um autor independente. Permita-me expor o que penso: Omitir tal informação é “fazer de conta” que os fatos se deram na seguinte ordem:
que a Scortecci recebeu o meu manuscrito,
leu, interessou-se pelo mesmo, decidiu publicá-lo, cuidou da distribuição e venda do mesmo nas livrarias nacionais e internacionais [onde se fala o Português] e inscrição do mesmo em concursos literários, por exemplo. E melhor: que eu não tive que desembolsar 1 centavo nesse processo; ao contrário, recebi da Scortecci!
Sou da opinião de que a minha inclusão no mercado livreiro não será maior se eu omitir tal informação. E isso se dá ao fato de que continuarei sendo a única responsável por  correr atrás do mercado livreiro, fazendo barulho na mídia efetivamente, e não a Scortecci.
A bem da verdade, o fato de eu ter me auto-publicado tem aberto muitas portas. Atesta  a minha garra, determinação! Graças a ela, meu livro [versões impressa e e-book] já está disponível  em diversas livrarias aí no Brasil: Cultura [nacional], Logos [ES], Torre de Papel [ES],  Ouvidor [BH], Status Livraria [BH], Fontoura Almeida [ES], FDCI [ES]. E aqui na Europa: Holanda, Bélgica e Genebra.
Tem sido um longo processo, mas penso ser assim o curso das coisas, afinal sou mesmo um autor independente.
Entendo que adicionar a info de “produzido pela autora” junto com o slogan da Scortecci somente atesta o quanto estou na mesma ‘página’ dos autores que estão se permitindo ter o seu trabalho impresso, sem passar pela frustrante agonia de ficar esperando [por anos] por uma resposta das editoras; ou na pior das hipóteses, nunca ver o seu trabalho publicado. Você certamente é conhecedora do clássico caso da autora JK Rowling, e sua saga de 7 anos a procura de uma editora que se interessasse pelo bruxinho Harry Porter.
Dentre os sites do mundo literário, há um que atesta claramente que ser “autor independente”, nos dias de hoje, é motivo de orgulho.
Caso queira conferir, convido-a a acessar: http://rejecter.blogspot.com/

Assim sendo, Fernanda, entendo perfeitamente o seu ponto de vista, e sou muito grata por tê-lo compartilhado comigo. No entanto, reitero que me reservo o legítimo direito de ter impressa a informação de que meu livro foi produzido por mim.
Obrigada, à sua disposição, atenciosamente, […]

É assim que se caminha no fascinante mundo literário…
Grande abraço e até o próximo post.

Sobre Josane Mary

O ato de escrever se tranformou numa extensão de mim... https://josanemary.wordpress.com
Esse post foi publicado em Atreva-se, Bem-Vindo!, e-book, Escrever, Garra de Mulher, Inevitável, Josane Mary, Livro Lançamanto, Mevrouw Jane, Passo a Passo, Ups & Downs de autopublicar e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Passo a Passo VI

  1. Antonio Ramiro Fonseca disse:

    Prezada Jô,
    Em nossas vidas, como já lhe disse anteriormente, aparecem, sempre, os “pentelhinhos”. As explicações da Scortecci não justificam a absurda recusa de inserção da importantissima informação. A sua primeira reação está absolutamente correta. Não se abale ou se renda á aparente “dependência” que você tem da Scortecci ou de qualquer outra editora. Não se deixe, pacificamente, ser utilizada. Aplaudo e apoio, em todos os sentidos, as suas austeras, porém , técnicas e justificáveis reivindicações. Não existem órgãos representativos da classe que possam, também, ser contatados ?
    Vá juntando essas pedras que lhe aparecem na vida ! Um dia, você construirá o seu castelo com elas !!

    Abraços Fraternos,
    Ramirovskiy

    • Josane Mary disse:

      Ei, querido amigo!
      Que bom saber que concorda com meu posicionamento. Pode ter certeza de que não há dependência alguma de minha parte com a Scortecci. Aliás, já tenho contato de outras editoras que poderão fazer a 2a. edição de “Mevrouw Jane”, e por um custo mais reduzido. O que estou atenta agora é para saber sobre a qualidade da impressão das mesmas.
      Se há um órgão que represente a classe, eu desconheço, mas gostei demais de sua sugestão. Obrigada! Vou procurar me informar.
      De qualquer maneira, penso que a Scortecci está fazendo o que o ‘cartel’ das editoras está acostumado… É como a máfia dos cartórios. Contudo, como eu disse, não dependo da Scortecci para nada. Se ela quiser continuar a relação de prestador de serviço comigo, deverá entender que minhas solicitações são justas e legítimas, o que me parece que ela já entendeu.
      Grande abraço e até o próximo post!

  2. leonor disse:

    Oi, querida,
    concordo com você, e te dou todo apoio, beijos linda.
    Vai dar tudo certo, respire fundo, você vai dar a volta por cima e contornar a situação.
    beijos.cuida-te

  3. Josane Mary disse:

    Ei, Leonor!
    ObrigadÍssima pelas palavras de carinho e incentivo. Você é demais!
    Grande abraço daqui da Holanda.
    Tenha um ótima noite ao lado dos seus, aí no nosso BRASIL varonil!🙂

  4. Karen Soarele disse:

    Puxa, muito interessante!
    Eu também sou autora independente. Decidi auto-publicar meu livro porque não tenho paciência de esperar tanto tempo por uma editora, e também porque gosto de fazer as coisas do meu jeito. Mas eu nunca tinha pensado na auto-publicação sob essa perspectiva que você explicou. Gostei bastante!! =)

    • Josane Mary disse:

      Bom-dia, Karen!
      Parabéns por também ser auto-publicado a sua obra! Desejo-lhe muito sucesso!
      Obrigada pela visita pelas palavras de carinho.
      Grande abraço e saudações literárias!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s